Escolha como quer aprender:

A quarentena é um momento de cuidado com a saúde, mas também de adotar boas estratégias de gestão para pequenos negócios!

A quarentena é um período em que prevalece o cuidado com a saúde. Ainda assim, outras preocupações aparecem, fruto das medidas de isolamento social. Além do impacto principal ser na saúde da população, as consequências da pandemia do novo coronavírus afetam também a economia

Com as mudanças no consumo e a queda no movimento, já que a população é aconselhada a permanecer em casa, como os pequenos negócios devem se comportar? Quais estratégias de gestão podem ser adotadas neste momento para auxiliar na sobrevivência dos negócios?

Para ajudar os empreendimentos do país, o Sebrae desenvolveu um guia com orientações para a saúde financeira de micro e pequenos negócios. As soluções são voltadas para as diferentes áreas que envolvem a gestão de um negócio.

E, claro, todas as medidas de prevenção ao novo coronavírus devem ser seguidas. A equipe de funcionários deve trabalhar utilizando equipamentos de proteção individual (como máscaras e luvas), além de lavar as mãos com frequência e utilizar álcool em gel

De olho nos cuidados com a saúde, confira as dicas de gestão para pequenos negócios neste momento de pandemia:

Estruture a gestão financeira

Em um cenário em que há redução no número de clientes e, consequentemente, no faturamento, a gestão financeira é um elemento essencial para manter um negócio ativo. 

O primeiro passo é fazer um levantamento de despesas para os próximos três meses. Organize uma tabela com as informações sobre salários de funcionários, aluguel, contas e outros gastos do negócio. 

Depois, defina as prioridades de pagamento. Assim, é mais fácil entender quais ações precisam ser adotadas de acordo com as despesas que têm maior impacto no negócio. Por exemplo, aluguel e materiais para produção são, geralmente, os gastos que mais impactam um pequeno negócio. 

Também será importante avaliar quais custos podem ser reduzidos ou eliminados, de forma a diminuir as despesas. 

Para isso, você pode abrir mão de ferramentas e softwares que não são essenciais; conscientizar a equipe para economizar no consumo de água, eletricidade e telefonia; diminuir o número de impressões e priorizar os documentos digitais, por exemplo. 

Não tenha medo de negociar

Com as prioridades definidas, é hora de negociar com fornecedores para conseguir melhores condições para o pagamento de insumos, serviços e outros materiais. 

É também momento para negociar dívidas com os bancos. Em março, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) anunciou que os cinco maiores bancos do país estão comprometidos a renegociar e prorrogar os vencimentos de dívidas de pessoas físicas, micro e pequenas empresas. 

Em alguns regimes tributários, também está sendo possível postergar o pagamento de impostos

A negociação permite um maior fôlego para o caixa, sem deixar de lado o compromisso com os colaboradores e parceiros do empreendimento. 

Aposte nas redes sociais

Se o seu pequeno negócio ainda não conta com uma página nas redes sociais, este é o momento para investir neste canal de comunicação com os clientes. 

Ter uma página no Facebook ou um perfil no Instagram, por exemplo, ajuda o seu negócio a ser visto e, principalmente, potencializa a divulgação dos produtos e/ou serviços oferecidos

Nos comentários nas postagens e nas caixas de mensagens, os clientes também podem interagir com o seu negócio. É neste momento que dúvidas são esclarecidas e a conquista de novos clientes é realizada!

Além disso, investir no marketing digital costuma ser muito mais barato do que as estratégias de divulgação offline e você ainda tem mais facilidade para direcionar suas ações para o perfil de público alvo do seu negócio

Diversifique sua atuação

Passando mais tempo em casa, muita gente está priorizando os serviços de delivery. Por isso, se o seu pequeno negócio ainda não adotou o sistema de entregas, este é o momento certo para fazer com que as vendas continuem acontecendo

Existe a possibilidade de cadastrar um estabelecimento em aplicativos de entregas, o que insere o negócio na lista de opções que os usuários dos apps têm acesso. A maioria dos aplicativos cobra uma taxa mensal para que um negócio esteja presente nas plataformas, além de uma porcentagem em cada venda realizada. 

Existem aplicativos destinados apenas para entregas de lanches e refeições e outros que também fazem entregas de compras em farmácias, supermercados, padarias.

Outra possibilidade é contratar entregadores para realizar o serviço, que pode ser contratado por telefone e Whatsapp. 

Plataforma de venda online

Além dos aplicativos de entregas e dos perfis nas redes sociais, as plataformas de vendas online podem ajudar a turbinar o faturamento de um pequeno negócio.

Neste espaço, os clientes sabem que estão em um site de vendas online e, por isso, precisam encontrar informações importantes sobre os produtos: fotos, descrição dos produtos, valor, formas de pagamento e prazo de entrega

Alguns sites já contam com layouts que facilitam a estruturação da loja online e a maioria permite configurar as opções de pagamentos variadas, como cartões de crédito e boleto bancário, o que atrai diferentes perfis de clientes. 

E não esqueça: para divulgar o lançamento da loja online, aposte nas redes sociais do negócio. Informe os diferenciais da loja virtual, as possibilidades de pagamento e pense também em promoções, para estimular as vendas!

Não perca tempo! Peça já seu cartão!
Mais artigos para você
Subtítulo